Followers

Postado por JOSÉ quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Alimentação para quem tem gastrite
A gastrite caracteriza-se por uma inflamação da mucosa gástrica, geralmente manifestada por náuseas, vômito, hemorragia, dor, mal estar.

Crises ocorrem muito freqüentemente após ingestão de alimentos específicos para os quais o indivíduo já tem sensibilidade aumentada, comer muito rapidamente, comer após emoções fortes, ou quando o indivíduo se encontra muito cansado.

Excesso de álcool, tabaco ou alimentos muito condimentados podem ser fatores desencadeantes de crises de gastrite.
Segue abaixo uma orientação dietética:

Alimentos proibidos:

- Alimentos gordurosos e frituras em geral

- Frutas ácidas (laranja, abacaxi, limão, morango, damasco, pêssego, cereja, kiwi)

- Temperos (vinagre, pimenta, molho inglês, massa de tomate, molhos industrializados, katchup, mostarda, caldos concentrados, molho tártaro), picles

- Doces concentrados (goiabada, marmelada, doce de leite, cocada, pé-de-moleque, geleia, compotas)

- Frutas secas e cristalizadas

- Frutas oleaginosas (nozes, avelã, coco, amêndoa, castanha de caju e do pará, amendoim, pistache)

- Feijão e outras leguminosas

- Pepino, tomate, couve, couve-flor, brócolis,
repolho, pimentão, nabo, rabanete

- Café, chá preto, mate e chocolate

- Lingüiça, salsicha , patês, mortadela, presunto, bacon, carne de porco, carnes gordas, alimentos enlatados e em conserva

- Bebidas alcoólicas e gasosas

Alimentos permitidos:

- Leite, queijo fresco, ricota

- Chá de camomila, erva-doce, erva-cidreira, melissa, espinheira santa

- Sopas magras

- Carnes magras desfiadas, picadas, moídas, ensopadas, cozidas, assadas, grelhadas

- Ovos cozidos, poches, quentes

- Verduras e legumes bem cozidos

- Frutas (exceto as mencionadas acima)

- Pães brancos, bolachas maria, maizena e água e sal

- Arroz, macarrão simples

- Batata, mandioca, mandioquinha cozidos

Recomendação importante:

- Não ficar por mais de 3 horas sem se alimentar

Gota: Distúrbio no Metabolismo das Purinas

GOTA: distúrbio no metabolismo das PURINAS, no qual aparece excesso de ácido úrico. No sangue e os uratos de sódio são depositados em forma de tofos que se depositam nas articulações. Pode levar à artrite crônica.

- 85 % do urato formado provém dos metabólitos simples referente à formação endógena de ácido úrico, bem como a partir da quebra de purinas.

- dieta é indicada para evitar o estresse metabólico e diminuir a necessidade de medicação.

ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE PURINA

GRUPO I : 100 a 1000 mg de purina em 100 g de alimento

anchova, arenque, mexilhões, sardinhas e vieira,
coração, fígado, miolos, rim, caldo de carne, extratos de carne, consome, molho de carne, ovos, perdiz,
fermentos de pão e de cerveja.

GRUPO II : DE 9 a 100 mg de purina em 100 g de alimento
carne de peixe, aves, carne de gado,aspargo, espinafre, cogumelos, ervilhas secas, feijões e lentilhas.

Obs.: 90 g de carne ao dia é permitido.

GRUPO III : conteúdo desprezível de purinas

. açúcar e doces
. arroz e massas
. azeitonas
. bebidas carbonatadas
. bolo e bolinhos doces
. bebidas de cereal (aguardente, saquê)
. café, chá, chocolate
. ervas e condimentos
. pipoca
. pudim, gelatina, sorvetes
. vegetais
. vinagre
. queijo
. frutas
. leite
. macarrão
. manteiga ou margarina
. molho branco
. nozes
. óleo
. pães e cereais

- consumo diário de água em torno de 3 litros, para manter baixa a concentração urinária;

- controle de gordura, pois esta reduz a excreção normal de uratos;

- os carboidratos tendem a aumentar a excreção de ácido úrico;

- dieta moderada em proteínas (0,8 g/kg/dia), rica em carboidrato, pobre em gordura e excluir alimentos com alto teor de purina (Grupo I);

- a dieta normal contém de 600 a 1000 mg de purinas.


ÁLCOOL

- o etanol aumenta a produção de ácido úrico.

Maribel - Nutricionista
www.maribel.com.br

Site Médico

Dieta Ácido Úrico

Para o aumento do Ácido Úrico (Hiperuricemia): indivíduos com esse distúrbio, têm dificuldade de eliminar o ácido úrico, produto final do metabolismo da purina, formado na quebra de proteínas, principalmente de origem animal. Geralmente desenvolve a gota úrica, doença que lembra a artrite, pela ocorrência de dores nas articulações. Segue abaixo uma orientação dietética: Alimentos proibidos: - Miúdos em geral (miolo, fígado, rins, coração, moela); - Alguns alimentos do mar, como sardinha, mexilhão, anchova, bacalhau, salmão, truta, atum, arenque, camarão, lagosta, ostra, caranguejo; - Algumas aves, como pombo, ganso, peru, galinha, galeto; - Carne de porco, embutidos, toucinho defumado, bacon; - Caldo de carne e molhos prontos; - Feijão, lentilha, grão de bico, ervilha, trigo; - Frutas oleaginosas, como coco, nozes, castanhas, amêndoas, amendoim, pistache, avelã; - Presunto, banha, extrato de tomate, chocolate, pão de centeio; - Alho porro, aspargo, brócolos, cogumelo, espinafre; - Todos os grãos e sementes. Alimentos restringidos: - Carnes magras (patinho, coxão duro); - Peito de frango, filé de peixe (pescada branca) "2 porções pequenas por dia". Alimentos permitidos: - Leite e iogurte desnatados, queijos brancos; - ovos; - Vegetais (exceto os acima); - Pães brancos e biscoitos de água e sal; - Frutas em geral; - Macarrão e arroz; - Batata; - Óleos vegetais (girassol, canola), em quantidade moderada. Recomendações: - Utilizar preparações com carnes cozidas desprezando a água do cozimento; - Carnes assadas não devem ser tostadas; - Não utilizar preparações ou alimentos ricos em gorduras; - Não ingerir bebidas alcoólicas; - Ingerir 2 a 3 litros de água por dia.

Não só pode como deve comer muito tofu e beber muito leite!

- ALIMENTOS PROIBIDOS: (grupo 1)
CARNES: vitela, bacon, ovelha;
MIÚDOS EM GERAL: fígado, coração, língua, rim e miolos;
PEIXES E FRUTOS DO MAR: sardinha, truta, cavala, bacalhau, arenque, anchova;
AVES: galeto, peru, pombo, ganso.
- ALIMENTOS DE USO MODERADO: (grupo 2)
CARNES: vaca, frango, porco, coelho e presunto;
PEIXES E FRUTOS DO MAR: peixes não citados no grupo 1;
LEGUMINOSAS: feijão, soja, grão de bico, ervilha e lentilha;
VERDURAS: aspargo, cogumelo, couve-flor, espinafre.
CEREAIS INTEGRAIS: todos (por exemplo: arroz integral, trigo em grão, centeio, aveia ).
OLEAGINOSOS: coco, nozes, amendoim, castanha do Pará, castanha de caju.

- ALIMENTOS PERMITIDOS: (grupo 3)
GERAIS: leite, chá, café, chocolate, queijos, ovos, manteiga e margarina;
CEREAIS: pão, massas, sagu, fubá, arroz e milho;
VEGETAIS: legumes e verduras com exceção das incluídas no grupo 2;
DOCES: açúcar e doces;
FRUTAS: todas, inclusive os sucos naturais.

DICAS ÚTEIS!
- Deve ser evitado excesso de bebida alcoólica;
- A diminuição do peso é útil;
- Tente evitar o estresse psíquico e físico;
- Tente beber bastante água (2 litros ou 8 copos por dia).

Fonte(s):

http://www.nutricaoativa.com.br/conteudo…

· 5 meses atrás

·

ÁCIDO ÚRICO

O conhecimento do metabolismo do ácido úrico é necessário para entender como ocorrem as diversas doenças a ele relacionadas e para possibilitar o tratamento adequado. Sabemos que as alterações dos níveis séricos (relativo a soro), do ácido úrico para cima ou para baixo causam complicações como:

gota,
artrite úrica,
insuficiência renal aguda e/ou crônica,
cálculo renal, etc.

O ácido úrico é um produto do metabolismo das purinas (proteínas), por ação de uma enzima. Ele é um ácido fraco e a sua forma ionizada, o urato monossódico, é a forma encontrada no plasma humano, no líquido extra-celular e na sinóvia. A sinóvia é o líquido viscoso, que preenche as cavidades articulares.

Os alimentos contêm diversas substâncias constituídas por moléculas que são:

os açúcares (hidrato de carbono),
gorduras (ácidos graxos)
e proteínas (aminoácidos).

Os aminoácidos se decompõem no organismo em:

ácidos nucléicos,
nucleotídios
e bases purínicas.

As purinas estão presentes nos alimentos ingeridos e também em proteínas do nosso próprio organismo.

As purinas sofrem um processo de degradação em hipoxantina e esta se transforma em xantina. Por sua vez, a xantina, por ação irreversível de uma enzima denominada de xantina oxidase, se transforma em ácido úrico e este em urato de sódio. A maior parte dos uratos são produzidos no fígado provenientes do desdobramento das proteínas endógenas e exógenas. Vale ressaltar que a velocidade e a quantidade de ácido úrico formado a partir das purinas dependem da xantina oxidase, quanto maior for a quantidade desta enzima maior a formação de ácido úrico. Há defeitos familiares, como pequena produção da enzima que, herdados, podem influir na quantidade de ácido úrico formado.

Na evolução da nossa espécie, perdemos uma enzima produzida no fígado, a uricase e só nos restou a xantina oxidase. As aves, répteis e peixes que conservaram a uricase conseguem oxidar o urato em alantoina, uma substância 80 a 100 vezes mais solúvel que o urato e que é facilmente excretada pelo rim. Isto permite que esses animais tenham níveis muito baixos de ácido úrico.

Assim, as enzimas humanas, transformadoras das purinas, não são tão perfeitas como a uricase de outros animais; por isso, a taxa dos uratos do nosso organismo está no limite da solubilidade dos uratos, que é de 6,8 mg %, na temperatura normal do corpo humano. Os sais de urato de sódio são muito solúveis à temperatura de 37º C, mas se depositam com facilidade nas articulações periféricas, joelhos, tornozelos, calcanhares e artelhos do pé, nos quais a temperatura do corpo é mais baixa, provocando inflamações. Quando o ácido úrico é superior a 8 mg % no plasma sangüíneo, ele pode se depositar em qualquer tecido do organismo, dependendo muito das condições locais. Quando isso ocorre, pode surgir processo inflamatório como gota, artrite, tofo e nefrite.

As dosagens do ácido úrico no sangue e na urina de 24 horas são de grande valor para o diagnóstico das alterações do metabolismo do ácido úrico. Para uma coleta sanguínea adequada de ácido úrico, é necessário um jejum de pelo menos 4 horas antes do exame. Deve-se, também, suspender alguns medicamentos que podem alterar para índices mais altos o resultado do exame, como:

álcool,
vitamina C,
cafeína,
diuréticos,
teofilina e fenotiazidas.

Índices menores podem ocorrer quando se usa alopurinol, clofibratos, corticoides, estrógenos e anticoagulantes.

O ácido úrico é excretado para fora de nosso organismo pelo rim, bile e sucos intestinais. A taxa do ácido úrico no plasma humano depende do equilíbrio entre a absorção e produção de um lado e a destruição e excreção de outro lado.

De uma maneira geral, o organismo humano não é capaz de metabolizar ou destruir os uratos, por isso, para manter equilibradas e normais as taxas de ácido úrico no organismo, é necessário que ele seja eliminado pelo rim e/ou pelo intestino.

Por ser muito hidrossolúvel, o urato é facilmente eliminado pelo rim em quantidades de 600-700 mg/dia nas dietas normais. Num indivíduo normal, 1/3 do ácido úrico é degradado e excretado pelo intestino e 2/3 pelo rim.

Na falência do rim, a degradação e eliminação do ácido úrico são extremamente aumentadas pelo intestino. A degradação é provocada pelas bactérias intestinais, que pode atingir até 80 % da excreção diária de ácido úrico.

Quando o ácido úrico está aumentado no sangue, dizemos que há hiperuricemia e, quando as taxas se encontram diminuídas, se diz que há hipouricemia.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico:

Quais são os órgãos comprometidos pelo ácido úrico?

Quais são as complicações quando o ácido úrico está elevado?

Qual a dieta alimentar que devo seguir?

Existem medicamentos que elevam o ácido úrico?

O cálculo de ácido úrico depende dos níveis plasmáticos de ácido úrico?

A gota, uma das doenças mais antigas registradas, é um distúrbio herdado do metabolismo da purina no qual níveis anormais de ácido úrico se acumulam no sangue. Como consequência, há deposição de uratos nas articulações e tecidos circundantes. Em casos crónicos, verifica-se "tufos" nas hélices das orelhas. Essa deposição de uratos pode levar a destruir tecidos de articulações, levando à artrite crónica.
É uma doença que usualmente ocorre após os 35 anos de idade, caracterizada por dor artrítica que está usualmente localizada num ataque súbito que começa no dedão do pé e continua para a perna. Conforme a doença avança, os sintomas ocorrem com mais frequência e são mais prolongados. Os ataques têm sido relacionados com a alimentação, bebida e exercícios físicos em excesso, sendo a obesidade comummente associada à condição gotosa.
CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO
A pessoa acometida com essa doença deve fazer restrição dietética de alimentos ricos em purinas, com a ingestão de pelo menos 3 L de água por dia, para ajudar na eliminação dos uratos.
São alimentos com alto teor de purinas: anchova, arenque, caldo de carne, carne de ganso, cavala, coração, extractos de carnes, levedura (de padeiro ou de cervejeiro como suplemento), mexilhões, miolo, ovas, pâncreas de vitela, perdiz, recheio de carne, rim, sardinha - ESSES ALIMENTOS DEVEM SER EVITADOS POR PACIENTES QUE POSSUEM GOTA EM QUALQUER ESTÁGIO.
São alimentos com teor moderado de purinas: aves e peixes (excepto as do grupo anterior), marisco, peixe, espargos, cogumelo, ervilha seca, espinafre, feijões secos, lentilhas - UMA PORÇÃO DESSES ALIMENTOS É PERMITIDA, DEPENDENDO DA CONDIÇÃO DO PACIENTE.
São alimentos com teor insignificantes de purinas: arroz, azeitona, bebida de cereal, bebida carbonatada, biscoito, bolo, broa de milho, café, cereais e produtos de cereais, chá, chocolate, condimento, frutas, gorduras (em moderação), leite, manteiga e margarina (com moderação), nata, nozes, óleos, ovos, pão branco e bolachas, pipoca, macarrão, queijo, sal, gelatina, sorvete, vinagre. - PODEM SER USADOS DIARIAMENTE.
Finalizando, pode-se dizer que uma pessoa acometida com gota úrica deve:
Evitar os alimentos ricos em purinas;
Ingerir moderadamente proteínas lácteas, porém de produtos pobres em gorduras;
Ingerir carboidratos (no mínimo 50% do VET);
Ingerir gordura em aproximadamente 30% do VET;
Manutenção ou redução do peso corpóreo, dependendo do estado nutricional;
Ingerir no mínimo 3L de água por dia;
Restrição ou eliminação de álcool.

Amiga, ácido úrico não é uma doença. O ácido úrico é um produto do metabolismo das purinas (proteínas), por ação de uma enzima. Ele é um ácido fraco e a sua forma ionizada, o urato monossódico, é a forma encontrada no plasma humano, no líquido extra-celular e na sinóvia. A sinóvia é o líquido viscoso, que preenche as cavidades articulares.
Quando ele se acumula no sangue, pode provocar doenças ligadas ao ácido úrico. A dieta recomendada é pobre em proteínas, principalmente da carne vermelha e os miúdos em geral (miolo, fígado, moela, coração, etc.). Algumas vezes é necessário o uso de medicamentos. Boa sorte.

Deve-se adotar dieta com poucas purinas:

Para diminuir o ácido úrico:
* Coma cerejas, morangos, caju e extrato de aipo., folhas de cor verde escuro á noite...
* Limite a ingestão de carnes a uma porção por dia.(OU NENHUMA SUBSTITUA POR CARNE DE SOJA, SE PREFERIR PEÇA UMA ORIENTAÇÃO Á UMA NUTRICIONISTA NESSE CASO)

Alimentos a serem evitados:
* Comidas com muitas purinas, ou seja, ricas em proteínas: sardinha, anchova, vitela, fígado e vísceras de animais.
* Álcool, especialmente a cerveja pois é rica em purinas
Para evitar a desidratação:
* Beba bastante líquido, especialmente água
* Procure evitar alimentos e remédios diuréticos

E CUIDADO:

descobriu-se que níveis elevados de ácido úrico aumentam a resistência de nossos tecidos à ação da insulina. Por isso, é freqüente ocorrer hiperuricemia e hiperglicemia.

Tratamento da hiperuricemia
A hiperuricemia é um fator de risco para as doenças cardio-vasculares e renais; por isso, é necessário que o ácido úrico plasmático se mantenha normal. Para isso, é necessário que o médico procure as causas do aumento e oriente o tratamento adequado. Pode ocorrer um ataque agudo articular, provocando a artrite úrica (gota). Neste caso, deve-se usar antiinflamatórios e analgésicos nas crises de dor. Quando há superprodução de ácido úrico devem ser usadas substâncias hipourecemiantes pelo bloqueio da enzima xantina-oxidase.
No paciente que elimina mal o ácido úrico pelo rim podem ser usados os uricosúricos que aumentam a excreção renal de uratos. Com a diminuição da produção e aumento da excreção dos uratos, se faz a profilaxia das recorrências de artrite, gota, nefrite e cálculos renais. Há fatores predisponentes que devem ser excluídos como:
o uso abusivo e constante de álcool, dietas inadequadas e medicações que diminuem a excreção urinária de uratos como, diuréticos, antinflamátorios e outros.
Um ponto fundamental do tratamento é manter o ácido úrico abaixo do normal por um tempo nunca inferior a 6 meses para que os uratos sejam desmobilizados dos tecidos e ossos, evitando a deposição dos cristais
A dieta é um item importante do tratamento do ácido úrico, mas não o único. Os alimentos não recomendados e que devem ser evitados pelos pacientes com hiperuricemias são aqueles ricos em purinas

Gota é uma forma de artrite causada pelo acúmulo de cristais de ácido úrico nas articulações. Essa enfermidade provoca dor intensa e na maioria dos casos afeta apenas uma articulação, geralmente no dedão do pé.
O quadro típico é de dor súbita e martirizante, inchaço, vermelhidão, elevação de temperatura e rigidez na articulação. Febre leve também pode estar presente.

Gota úrica geralmente ataca o dedão do pé (aproximadamente em 75% dos casos), porém também pode afetar outras articulações no tornozelo, calcanhar, joelho, ombro, dedos, etc. Em algumas ocasiões pedras de ácido úrico podem se formar nos rins.


Para finalizar, cabe dizer que toda a dieta, por melhor que seja, só pode reduzir em 25% os valores plasmáticos do ácido úrico. Isso ocorre em aproximadamente 10 dias após o início da dieta.

Recomendações nutricionais para
ÁCIDO ÚRICO ELEVADO

ALIMENTOS PROIBIDOS
Miúdos em geral (miolo, fígado, rins, coração, moela);
Alguns alimentos do mar, como sardinha, mexilhão, anchova, bacalhau, salmão, truta, atum, arenque, camarão, lagosta, ostra, caranguejo;
Algumas aves, como pombo, ganso, peru, galinha;
Carne de porco, embutidos, toucinho defumado, bacon;
Caldo de carne e molhos prontos;
Feijão, ervilha, lentilha, grão de bico, trigo;
Frutas oleaginosas como: coco, nozes, castanha, amêndoas, amendoim, etc;
Presunto, banha, extrato de tomate, chocolate, pão de centeio;
Alho poro, aspargos, brócolis, cogumelo, espinafre;
Todos os grãos e sementes (RETIRAR TODAS AS SEMENTES!);


ALIMENTOS POUCO RECOMENDADOS
Carnes magras (patinho, coxão duro);
Peito de frango, filé de peixe (pescada branca);
Procurar não ultrapassar 2 porções pequenas destas carnes por dia!


ALIMENTOS PERMITIDOS
Leite e iogurte desnatados, queijo branco;
Ovos;
Vegetais (exceto os acima);
Pães brancos e biscoitos de água e sal; Frutas em geral;
Macarrão, arroz e batata;
Óleos vegetais (girassol), em quantidade moderada

RECOMENDAÇÕES
Utilizar preparações com carnes cozidas, desprezando a água do cozimento;
Carnes assadas não devem ser torradas;
Não utilizar preparações e alimentos ricos em gorduras;
Não ingerir bebidas alcoólicas;
Ingerir de 2 a 3 litros de água por dia!



Consultoria:
Thais Rodrigues Frison
Nutricionista - CRN 16492/P

Meu marido sofria muito com o problema de ácido úrico elevado.Passamos a controlar as quantidades de cada tipo de alimento que ele costuma consumir e, comendo de tudo, mas em quantidades diferentes, ele recuperou a saúde.]

É um ácido eliminado pelo organismo através da urina. Porém algumas perturbações orgânicas produzem sua retenção no sangue e nos tecidos, causando doenças reumáticas e renais. Os erros alimentares são um dos principais responsáveis pela formação de depósitos desse ácido no organismo. Evite estes alimentos, por serem produtores de ácido úrico: cárneos (fígado, rins, moela, coração, intestino, miolo, chouriço, lingüiça, salsicha, presunto, mortadela, frutos de mar, etc.), cereais secos (feijão, lentilha, ervilha seca, grão-de-bico, soja, etc), açúcar refinado, doces em geral, bebidas alcoólicas e ovos. Prefira dieta rica em frustas frescas da época, vegetais crus e cereais integrais. Inclua sempre nas refeições alimentos diuréticos, alcalinizantes e depurativos do sangue.

Fonte(s):

Medicina Alternativa de A à Z

1 Responses to

  1. pipoca de microondas pode comer para quem tem gastrite???

     

Postar um comentário

Blog Archive